Guillermina Rojas

Neste post, farei uma espécie de recensão crítica do artigo de Gloria Espigado Tocino (Professora Catedrática da Universidad de Cádiz), Experiencia e identidad de una internacionalista: prazos biográficos de Guillermina Rojas Orgis, publicado em 2005, pela revista Arenal.

“Contar las vidas de las mujeres, ha sido una exigencia política del feminismo y una práctica relevante dentro de la Historia de las Mujeres, aliadas en el objetivo común de hacer visible el valor de la acción y del pensamiento de un sujeto sistemáticamente obviado en las crónicas del pasado.”

O texto de Gloria Espigado é dividido em 4 partes: Introdução; Formação e despertar político: Guillermina republicana; Construção de uma identidade revolucionária: Guillermina internacionalista; Criação do arquétipo: Guillermina rememorada.

Na parte introdutória, a autora chama a atenção para a importância da biografia, “que cumpre a função de fixar na memória coletiva aquelas personalidades que consideramos imprescindíveis recordar” (tradução livre), especialmente quando evoca a memória de “pessoas comuns”, as quais, durante longa tradição historiográfica, permaneceram à margem das narrativas. Mas ela também aponta a função do (a) historiador (a) enquanto mediador (a) e responsável pelas conexões das informações encontradas nos mais diversos documentos: “Assumimos, portanto, a importância radical de nosso papel mediador, implicando diretamente na elaboração do sentido do relatado, algo que parece óbvio e desnecessário constatar dada a natureza do trabalho do historiador ou da historiadora, mas que frequentemente fica oculto, embaixo do ralo da neutralidade imputada ao ofício”.

GUILLERMINA REPUBLICANA

Filha de pai sapateiro e de mãe costureira, Guillermina nasceu em 25 de junho de 1848, no Puerto de la Orotava (atual Puerto de la Cruz), nas Ilhas Canárias (documentação recolhida na Paróquia Nuestra Señora de la Peña de Francia, certidão de batismo). Quando tinha apenas 6 anos de idade, ela, seus pais e seus dois irmãos (um mais velho e outro mais jovem) se mudaram para Cádiz, na Andaluzia, cidade que concentrava alguma riqueza oriunda das atividades comerciais mantidas pela Espanha e pelo continente americano. Além de chamar a atenção para a condição familiar de sua protagonista, Gloria também destaca o perfil político de Cádiz, onde Guillermina passou sua infância e juventude, identificando a cidade enquanto herdeira de uma tradição política de oposição ao regime monárquico, que absorveu no século XIX, por exemplo, influências do socialismo utópico e do republicanismo. Longo hiato.

Em 1865, a família Rojas Orgis aparece na documentação referente às normas de vizinhança (“padrones de vencidad“), recolhida por Gloria Espigado no Arquivo Histórico Provincial de Cádiz. Nesta documentação, Guillermina aparece como costureira, seguindo, assim, os passos da mãe, enquanto seus irmãos dedicavam-se aos estudos. No entanto, a investigadora sugere que é provável que Guillermina tenha se dedicado à formação básica, escapando à condição de analfabetismo compartilhada por parte significativa da população do período, sobretudo feminina. Tal sugestão se orienta no fato de que a protagonista ingressou na Escuela Normal de Magisterio (Archivos de las Escuelas Normales de Cádiz) e, depois de formada, trabalhou como professora assistente na Escuela Publica de Niñas de Santa María Del Rosario (Guía de Cádiz, El Puerto de Santa María, San Fernando y su Departamento para el año de 1869, por José Rossety).

O final da década de 1860 é extremamente significativo para a história da Espanha. No contexto, mais especificamente em 1868, as agitações políticas desenvolvidas em algumas cidades, sobretudo em Cádiz, determinaram o fim do governo de Isabel II: “O compromisso das forças atuantes na ‘Gloriosa’ traria novidades tão importantes, como o sufrágio universal masculino, a tolerância religiosa, a liberdade de opinião, o direito de reunião e de associação, reconhecidas em um novo texto constitucional elaborado em 1869”. Na altura, houve uma significativa preocupação por parte de algumas mulheres, como Guillermina: as conquistas anunciadas estariam dirigidas a um determinado sexo, o masculino, ou elas seriam compartilhadas por todos e todas?

E, como não há conquista de direitos sem luta, é evidente que as mulheres tiveram de enfrentar uma série de resistências. Em 1869, Guillermina e outras companheiras fundaram o clube feminino republicano “Mariana Pineda” (homenagem ao ícone feminino dos ideais liberais em Espanha), inspiradas nas ações realizadas por republicanas em Madrid. Aos 21 anos, ela foi eleita presidenta da associação, a qual defendeu o projeto de criação de uma escola para mulheres adultas (a informação é dada por intermédio de um pedido, feito ao prefeito de Cádiz, relacionado à concessão de um espaço físico para o desenvolvimento das atividades). E, se por um lado, a atuação política permitiu à Guillermina o desenvolvimento de uma série de habilidades relacionadas à esfera pública (como a oratória, por exemplo), é provável que a associação de sua imagem ao universo público-político (ainda muito masculinizado), tenha trazido complicações para a sua carreira profissional. A hipótese, levantada por Gloria, associa-se ao fato de que, em 1869, Guillermina solicitou afastamento da escola em que trabalhava, e nunca mais regressou à atividade de professora assistente. No final de 1870, o Governo Civil da Espanha legalizou os Estatutos da Asociación Mariana Pineda.

Pequeno hiato, transformações significativas…

GUILLERMINA INTERNACIONALISTA

Em 1871, segundo a documentação recolhida por Gloria Espigado, Guillermina esteve na capital espanhola, Madrid, onde representou ideias relacionados ao “internacionalismo obrero”. Sobre sua mudança de posicionamento político, a investigadora supõe que “o contato com o grupo republicano ‘Hércules’, formado pelas sociedades de trabalhadores da cidade (Cádiz), na primavera de 1870, dava inequívocas mostras da aproximação com a associação internacionalista, sendo o germe da Federación Local gaditana, criada através do Primeiro Congresso da Asociación Internacional de Trabajadores (AIT) em Espanha, celebrado em Barcelona no mês de junho daquele ano”.

Na tarde do dia 22 de outubro de 1871 (ano muito significativo para o Internacionalismo), Guillermina Rojas subiu no palco do Teatro Rossini, nos Campos Elísios, para defender a Primeira Internacional e, nesse sentido, fazer críticas ao governo de Sagasta, que, amedrontado com os eventos ligados à Comuna de Paris, buscava tornar ilegal a associação no âmbito espanhol. O gesto foi testemunhado pela imprensa espanhola.

La Época, 22 de outubro de 1871, p. 2 (Hemeroteca de España)

“A propriedade da classe média atual, disse (Guillermina) que era imoral e repugnante, porque estava adquirida não sabia como, e da noite para o dia; a aristocracia não era menos injusta por estar fundada sobre o sangue do povo (pagadores de impostos). Declara que é oposta a todo matrimónio, civil ou religioso, e, quanto à religião, professa solenemente a de consciência, e não crê em Deus, até que haja um visível e palpável que lhe diga: eu sou teu Deus. A pátria, disse, é uma palavra absurda e ridícula, que já não tem sentido, desde que a Internacional tem confundido todos os interesses humanos. Querem se opor, terminava dizendo, ao curso dessas águas? Elas os envolverão e os arrastarão em suas correntes.” (tradução livre do fragmento acima)

Como é possível perceber, Guillermina não só defendeu a Primeira Internacional, como criticou abertamente os tradicionais grupos económicos, burguesia e aristocracia, questionando as origens de suas respectivas riquezas; posicionou-se contra o casamento; assumiu sua descrença em relação a Deus; desconstruiu a importância conferida à pátria, de forma a aproximar os trabalhadores de todo o mundo, condenados por um mesmo sistema. Portanto, questionou estruturas políticas, económicas e culturais. Era preciso coragem para tal, sobretudo sendo uma mulher.

Guillermina foi duplamente atacada: por conservadores e por misóginos. Em seu artigo, Gloria Espigado explora as reações proferidas por um periodista espanhol, o republicano Francisco Flores García, ao discurso da militante. Segundo ele, Guillermina havia se convertido em uma espécie de “sacerdotisa dos tempos modernos” (La Federación Española). Para responder a Flores García e a tantos outros que a atacaram, a internacionalista resolveu publicar um artigo, “La Familia”, em La Emancipación, periódico da A.I.T. Traduzo, a seguir, os comentários de Gloria Espigado a respeito do tal artigo:

“A autora se manifesta contrária a todo contrato matrimonial, religioso ou civil, os quais qualifica como ‘absurdos’ por não serem fundamentados nos ‘sólidos laços do amor’, na relação, ‘na atração’, diria na chave fourierista. O que Guillermina denuncia é o duplo padrão, a dupla moral que permite ao homem o que se condena na mulher, a qual descreve, sem dúvida alguma, como a grande vítima do matrimónio, convertendo-la – expressa, evocando a imagem mais recorrente do primeiro feminismo – em ‘escrava’ desta instituição social que, – pontua -, não pode seguir sendo indissolúvel. Guillermina alude à palavra mais problemática, divórcio, inclusive chega a dizer, sabendo das consequências que poderiam ter suas palavras, que não nega que o matrimónio ‘seja legal’, mas de qualquer maneira ‘é necessário reformá-lo’. Em quê sentido? Em conceder igual liberdade aos dois sexos para fazer ou desfazer o ‘contrato’ a que se envolvem. Sobre a acusação da irresponsabilidade frente aos filhos que se lhe dirigem, dado que novamente aponta que a mulher é naturalizada em primeira instância como mãe, Guillermina responde com uma modernidade que nos surpreende. Não assume, de início, que os filhos sejam uma responsabilidade feminina, utiliza o masculino, os pais, para referir-se a esta função e explica que o normal é que ‘o pai não se esquive dos seres a que se tem dado a vida’. Para os ‘desnaturalizados’, os que não cumpram com esse instinto, (lei) natural, haverá que dar uma resposta social, impor uma lei que os obrigue. Termina devolvendo ao seu interlocutor a mesma acusação de não haver estudado com compromisso a questão, convidando-o a seguir discutindo tão grave e transcendental tema. E conclui tomando distância, em um intento de situar-se moralmente acima de seu acusador: ‘Não sou escritora, nem tenho tais pretensões; cansada do meu trabalho do dia deixei a agulha para tomar a pluma, dedicando a noite para fazer o possível para despertar meu sexo da letargia em que se encontra’.”

Durante a Primeira República Espanhola (1873-1874), a única informação que Gloria Espigado conseguiu obter a respeito de Guillermina é a de que ela colaborou em Los Descamisados, periódico madrileno efémero, lançado em 1873 a partir do slogan “Guerra à família, guerra à propriedade, guerra a Deus” – aliás, um de seus artigos é sobre o tema do amor livre. 

GUILLERMINA REMEMORADA

Durante o despertar da consciência feminista em Espanha, houve um resgate da memória de Guillermina Rojas, “para o bem e para o mal”. Explicando melhor, Soledad Gustavo (pseudónimo de Teresa Mañe, nascida em 1865, na Catalunha e falecida em 1939, na França), por exemplo, expôs em seu texto “Movimento feminista”, publicando na revista La Idea libre, que o progresso alcançado pelas mulheres, em Espanha, ainda não estava (década de 1890) no lugar que o quiseram colocar Guillermina e outras mulheres. Ou seja, para algumas feministas inseridas no chamado contexto de “primeira onda” ou “primeira vaga”, o resgate, ainda que parcial e pouco cuidadoso, da memória de mulheres que, no seu respectivo passado, desafiaram o status quo ajudava a legitimar, em seu presente, as reivindicações de gênero, ao mesmo tempo que, servindo como propaganda, auxiliava na mobilização de mulheres que, por alguma razão, identificavam-se com aquelas figuras femininas rememoradas. 

É evidente, no entanto, que tal despertar da consciência feminista provocou reações conservadoras. Assim, antifeministas também ousaram evocar a memória de mulheres como Guillermina, mas, diferentemente do lugar que a colocou, por exemplo, Soledad Gustavo, estes trataram de promover um desvirtuamento de sua identidade e biografia, bem como as de outras figuras femininas que desafiaram o status quo. Ao transformarem estas mulheres em aberrações, buscavam deslegitimar o movimento que as apropriou enquanto símbolos, o movimento feminista.

Guillermina, Guillermina,/No vayas al Comité,/Que esas son cosas de hombres,/No son cosas de mujer”, dizia o escritor Manuel Saralegui y Medina em seu artigo “Feminismo… o cosa así”, do livro Recuerdos y rectificaciones históricas (1907).

Gloria Espigado termina seu artigo com a seguinte reflexão: “Sepultada por uma memória esquiva ou manipuladora, nosso tempo é mais propício para outorgar-lhe essa visibilidade, em uma tarefa que sabemos inacabada, mas útil para trazer novos perfis femininos que enriqueçam nossos conhecimentos acerca de experiências e identidades outras.”.