La mujer y la sociedad (1857)

Em setembro de 2021, estive em Cádiz (Andaluzia, Espanha), a realizar um estágio académico financiado pela Asociación Universitária Iberoamericana de Postgrado (AUIP). O objetivo central da experiência era conhecer parte de uma documentação relacionada à produção impressa de mulheres gaditanas, localizadas na segunda metade do século XIX, que actuaram no sentido de problematizar as relações de gênero e o modo de produção capitalista. Ainda que esta pretensão se distancie um pouco do eixo central da tese de doutoramento, julguei de suma importância conhecer experiências que, mesmo externas ao recorte da investigação doutoral (Brasil e Portugal), ajudam a compreender melhor os contornos das lutas empreendidas por mulheres e que, mais tarde, foram recuperadas por movimentos auto-declarados feministas, especialmente em Espanha. Ademais, sendo o feminismo um movimento vivo e de caráter internacional, parece ser imprescindível o (re)conhecimento de mulheres que actuaram em outros países e produziram em outras línguas, que não a portuguesa. Este olhar alargado ajuda a evitar erros interpretativos acerca das experiências passadas e, ao mesmo tempo, permite estabelecer conexões mais complexas.

A análise de algumas das fontes localizadas no Arquivo Histórico Provincial de Cádiz resultou no trabalho Denúncias sociais e utopias feministas na obra “La mujer y la sociedad”, de Rosa Marina, 1857, apresentado na 3ª Jornada Virtual Internacional de Pesquisa Científica.

A seguir, disponibilizo o resumo do trabalho e também o link do vídeo da apresentação.

Resumo O objetivo do presente trabalho é analisar a obra “La mujer y la sociedad”, publicada em 1857. Antecedendo os trabalhos de Concepción Arenal, considerada uma das pioneiras no feminismo espanhol, o livreto de Rosa Marina explora as falhas da sociedade moderna a partir da problemática da diferença no tratamento conferido aos sexos. Seu ponto alto é a crítica às instituições do casamento e da família, já que, na então configuração social que subalternizava as mulheres (especialmente as mais pobres), estariam afastadas do amor e da harmonia, e muito semelhantes às instituições especulativas. Tal formato impossibilitaria o progresso social, uma vez que acabaria por perpetuar a prostituição (incluindo a legalizada), toda a sorte de vícios e a defasagem da produção de riquezas, já que metade do gênero humano era impedido de exercer uma carreira profissional. Com tal análise historicizada, pretendo demonstrar que, apesar de falhas e retrocessos, os feminismos desenvolvidos nos séculos XX e XXI enquanto movimento social possibilitaram que as então utopias reivindicadas por Rosa Marina se tornassem realidade (ou pelo menos parte delas). Este posicionamento, embasado em fontes documentais, é fundamental no enfrentamento de práticas que, ao evocarem determinados saudosismos – construídos sob um viés que não leva em conta o tratamento conferido às mulheres nos diferentes âmbitos da época evocada – vilanizam o feminismo e ocultam a relevância dos direitos conquistados ao longo de décadas.

Link da apresentação: https://www.youtube.com/watch?v=jHww1n6ctRI