Luce Fabbri e o antifascismo

Existem diversas conexões entre Luce Fabbri e Maria Lacerda de Moura, e uma delas é, definitivamente, o antifascismo.

Luce Fabbri viveu com intensidade os acontecimentos do século XX: nasceu envolta às ideias anarquistas (Roma, 1908); com a ascensão do fascismo, passou por experiências de exílio (França e Uruguai); na América do Sul, enfrentou ameaças de governos antidemocráticos. Faleceu em Montevideo, capital do Uruguai, em 2000, e teve a efémera sorte de vislumbrar um mundo diferente daquele que tanto combateu de forma exaustiva.

Neste post, buscarei analisar brevemente uma de suas obras, Fascismo: definição e história, lançada originalmente em 1963 e, recentemente, republicada pela Tenda de Livros (versão em português). O esforço de mobilizar novamente as reflexões de intelectuais que pensaram o fascismo (a própria Luce Fabbri, além de Maria Lacerda de Moura e Hannah Arendt, por exemplo) revela-se como uma tentativa de compreender melhor o tempo em que vivemos, o presente.

Diferente de Camisas Negras: estudo crítico histórico da origem e evolução do fascismo, seus feitos e suas ideias, lançado em 1934, o livro em análise expressa o amadurecimento da percepção de sua autora em relação à ascensão e ao desenvolvimento do fascismo.

1. ORIGENS – Itália, pós-Primeira Grande Guerra

Quais foram os efeitos da Primeira Grande Guerra para a Itália, que participou ativamente do conflito? Tal é a reflexão que Luce Fabbri se propôs a fazer na primeira parte de seu livro. Ela identificou que os primeiros contingentes de Camisas Negras pertenciam às famílias da pequena e média burguesia, mobilizados por sensações de ressentimento e rancor contra todos os que melhoraram de vida ou que buscavam melhorar. E, por “melhorar de vida”, Luce pretendeu fazer referência às questões de ordem econômica, material – por exemplo, o enriquecimento advindo da especulação financeira possibilitada pelo clima do pós-guerra – e, também, à superação de uma moral medíocre e de uma cultura encastelada nos clássicos. Em outras palavras, os adeptos do fascismo reagiram contra o novo, porque este lhes provocara medo.

2. VIOLÊNCIA E ESPÍRITO DE CLASSE

“O tigre adormecido em cada um tinha sido acordado e treinado para matar…”

O “novo”, mencionado anteriormente, relacionava-se à superação de um modelo económico construído a partir de uma série de disparidades e, como não poderia ser diferente, à superação de valores retrógrados. A revolução mostrava-se inevitável, sobretudo após a Grande Guerra e à Revolução Russa de 1917. Nesse sentido, para Luce Fabbri, o fascismo operou como contrarrevolução, e a violência contra as classes operárias e contra dos intelectuais – articuladores de novas possibilidades associadas à emancipação – foi sua grande expressão material.

3. DA PRAÇA DO SANTO SEPULCRO AO TOTALITARISMO

A Marcha sobre Roma (29 de outubro de 1922), importante marco para a compreensão do fascismo, segundo alguns livros de História, tem espaço secundário nas análises de Luce Fabbri. Para ela, a primeira grande expressão do fascismo italiano ocorreu em 23 de março de 1919, na sala da Presidência do Círculo de Interesses Industriais e Comerciais, cujo prédio estava localizado na Praça do Santo Sepulcro, em Milão. O bando fascista, segundo a autora, foi capitaneado por ex-oficiais, latifundiários, industriais e comerciantes, todos desgostosos com os rumos do capitalismo liberal e, de novo, amedrontados com os ventos revolucionários. Para aumentar e tornar visível o bando, aqueles capitães investiram na mobilização de alguns grupos vulneráveis, nomeadamente: remanescentes de guerra (os “sem lugar”), desempregados permanentes, jovens de má índole e interessados em fazer fama, estudantes nacionalistas e saudosistas de um passado que nunca viveram.

Para Luce Fabbri, a ideologia totalitária – que, ao comprometer a existência física do indivíduo, elimina a sua liberdade – foi incorporada pelo fascismo posteriormente, tendo se concretizado em 03 de janeiro de 1925, data em que Benito Mussolini assumiu publicamente o assassinato do socialista Giacomo Matteotti. O ato acabou por tornar legal, efetivamente, o fascismo.

“Eu declaro perante a essa assembleia e perante a todo o povo italiano que assumo, eu sozinho, a responsabilidade política, moral e histórica de tudo o que aconteceu.”

4. EM BUSCA DE UMA IDEOLOGIA: NACIONALISMO E RACISMO

O fascismo precisou evocar missões para o povo italiano – como a conquista de territórios africanos; e aí a importância do nacionalismo e do racismo, ideologias que, de certa forma, fomentaram as políticas imperialistas que antecederam a Primeira Guerra – e precisou criar um mito, alguém que pudesse substituir o programa do partido e falar diretamente às massas.

“Renunciava à eloquência ‘vazia, prolixa, insubstancial’ dos democratas, para manter uma oratória fascista por excelência, ou seja, nua, áspera, franca, crua e dura: nunca focada em detalhes, não seguia os acontecimentos do dia, mas evocava visões, indicava um caminho… Mantinha em seus seguidores o espírito militar… Em vez de discussões: acreditar, lutar, obedecer. Espalhava ao redor dele uma espécie de intolerância, quase desprezo por homens muito sábios ou inteligentes demais…” (p. 19)

O fascismo é anti-socialista, mas é ainda mais antiliberal e antidemocrático, na visão de Luce Fabbri. Talvez seja mais simples entender a ojeriza fascista ao socialismo e à democracia… Quando a autora enfatiza o seu caráter antiliberal é preciso levar em conta não apenas o aspecto económico da corrente – afinal de contas, a economia italiana, durante o comando de Mussolini, tendeu a se organizar a partir do chamado “capitalismo de Estado” – mas, sobretudo, os aspectos que giram em torno dos conceitos de igualdade jurídica e de direito, inclusive o direito à vida e à liberdade de expressão.

5. TOTALITARISMO E VONTADE DE PODER

O medo das ações de autogestão, que “ameaçavam o benefício capitalista” (a manutenção das hierarquias, por exemplo), foi determinante para o desenvolvimento da ideologia totalitária, segundo a autora. Seu grande objetivo: manter o poder a qualquer custo, eliminando qualquer gesto de liberdade. Um meio eficiente para garantir a repressão: o terror total, ou seja, a ameaça constante à existência física.

(Creio que Foucault e seu primeiro volume da Historia da Sexualidade seriam ferramentas úteis para a análise mais complexa desta parte do livro.)

6. A CONTRARREVOLUÇÃO PREVENTIVA – Síntese da obra

“E o poder foi dado a Mussolini para defender os valores tradicionais: pátria, propriedade, ordem, família, religião, hierarquia, contra a ralé – que, aproveitando, às vezes, as oportunidades oferecidas por uma democracia ainda que tímida e o terror dos privilegiados em relação à revolução russa – caminhava (ou acreditava fazer isso) para uma conquista de condições iguais de fato, não apenas legais, mas econômicas, sociais, culturais. Naquela época, todos pensávamos que a ênfase estava no econômico. Hoje, analisando, depois de quarenta anos, minhas memórias de infância, vejo nitidamente o quanto era importante, não só para seus protagonistas, mas também para os intranquilos observadores, o espetáculo dessas bibliotecas noturnas municipais, cheias de operários ávidos por discutir e estudar, que liam livros de história, de sociologia, e, por vezes, de filosofia, com a intenção de se instruírem, não para abandonarem o trabalho braçal, mas para fazê-lo melhor e também para se expressarem e dialogarem com firmeza. Esse tipo de ascensão social dava medo e infundia ódio contra os operários: medo e ódio semelhantes ao propagado pelas minorias brancas sobre as maiorias negras em certos estados de origem colonial. A hostilidade racial, facilmente despertada, de maneira irracional, em indivíduos e grupos doentes que possuem um complexo de inferioridade, é, em suas manifestações de massa, um simples disfarce do medo da igualdade, medo de perder posições de poder. No fundo a desigualdade e o poder frequentemente são reduzidos ao prestígio social, pelo menos como uma ilusão.” (pp. 25-26)

É importante mencionar que, tal como Emma Goldman (Minha desilusão na Rússia), Luce Fabbri também se posicionou contra o tipo de totalitarismo desenvolvido na União Soviética, especialmente durante a liderança de Joseph Stálin.

7. O FASCISMO COMO FENÔMENO DE PATOLOGIA SOCIAL

Como explica a edição lida, o anarquismo de Luce Fabbri congrega elementos do liberalismo e do socialismo. Do primeiro absorve a crítica ao Estado e as reivindicações em torno da liberdade individual; do segundo, a enfática crítica à propriedade privada e, consequentemente, o clamor por igualdade social. “Nesse sentido, o anarquismo retoma o legado das revoluções burguesas e o reatualiza nas revoluções proletárias, sublinhando que a liberdade individual só pode florescer em um contexto de igualdade social.” (p. 33). Tal compreensão importa a medida que o conceito fundamental abordado por Luce nesta última parte do livro é o direito, que não deixa de ser uma invenção/reivindicação liberal, nascida das revoluções dos séculos XVIII e XIX.

O nazifascismo, segundo Luce Fabbri, despertou a besta existente em todo o ser humano, revelando aos homens de quais horrores e de quais baixezas eles são capazes. Nesse sentido, ela se aproxima da interpretação kantiana a respeito do “mal diabólico”, observando que os nazifascistas teriam deliberado de forma consciente pelo mal, escapando, por isso, à natureza humana e incorporando o espírito diabólico.

Primo Levi (1919-1987), italiano que sobreviveu aos horrores de Auschwitz, refletiu em Se isto é um homem?:

“Imagine-se agora um homem ao qual, juntamente com as pessoas amadas, tiram a casa, os hábitos, a roupa, enfim, tudo, literalmente tudo quanto possui: será um homem vazio, reduzido ao sofrimento e à carência, esquecido da dignidade e bom senso, pois acontece facilmente, a quem tudo perdeu, perder-se a si próprio; reduzido a tal ponto, que outros poderão sem problemas de consciência decidir da sua vida ou da sua morte para além de qualquer sentido de afinidade humana; no caso mais optimista, na base de uma mera avaliação de utilidade.

A expropriação dos direitos fundamentais dos homens e das mulheres e a incapacidade de pensar e agir de maneira consciente e crítica – pensemos, também, nas considerações de Hannah Arendt a respeito da “banalidade do mal” – levariam, portanto, à barbárie. Antes, portanto, de qualquer superação do liberalismo e do socialismo, há de se recorrer à civilização, à preservação dos direitos fundamentais de cada ser humano.

Ora, se apesar da barbárie expressa pelas experiências totalitárias e de toda uma reflexão pós-Segunda Guerra a respeito da importância da garantia dos direitos fundamentais aos homens e às mulheres, a civilização continua a ser ameaçada, as palavras de Luce Fabbri, uma libertária, continuam significativas, servindo como manual para uma vida antifascista.

“Mas não sabemos neste momento, de qual lugar pode nos ameaçar o perigo fascista que transformaria essas manifestações isoladas em avalanches de terror e pânico à liberdade, precipitando-nos ao abismo de mais uma guerra. As únicas defesas reais contra esse múltiplo e complexo perigo estão em cada um, na racionalidade e na espontaneidade de cada um, nessa responsabilidade ativa de cada ser humano em relação aos outros, que é ao mesmo tempo um afirmar-se como indivíduo e um entregar-se ao coletivo.” (p. 34)