Inspirações – Parte II (continuação)

ANOS 1930|40 – GUARAREMA, BARBACENA, RIO. EMANCIPAÇÃO FEMININA. AMOR PLURAL. ANTIFASCISMO.

De acordo com Jussara de Miranda, “Entre 1928 e 1937, período de amadurecimento de idéias e engajamento na luta contra o fascismo, a guerra e o clericalismo, viveu em ‘Guararema’, na chácara D. Maria Lacerda, comunidade anarquista de cunho individualista onde cada um deveria responsabilizar-se pelo seu próprio sustento, ao contrário de outros agrupamentos coletivos como a Colônia Cecília. O grupo era formado por espanhóis, italianos e franceses objetores de consciência da Primeira Guerra Mundial.”.

Ainda em 1929, pouco antes do “Crash da Bolsa”, atendendo aos convites realizados pela Associação Internacional do Magistério Americano, da União Latino-Americana, da Liga de Educação Racionalista e da Liga Antifascista, Maria Lacerda fez conferências em Buenos Aires, Rosário, Santa Fé e La Plata (cidades argentinas), abordando temas diversos, entre os quais a liberdade sexual feminina. Na capital, conheceu Luiz Carlos Prestes e Siqueira de Campos, que estiveram presentes em uma de suas apresentações.

“Sinto que a mocidade brasileira esteja se arregimentando nas fileiras dos partidos políticos, ambos conservadores, que neste momento lutam exclusivamente e sem idealismos e sem liberalismos, pela ambição do mando, do poder. A juventude devia ser fiel nos ideais de Luiz Carlos Prestes, Siqueira Campos e seus companheiros, que representam uma belíssima página na história nacional contemporânea, nesse capítulo vibrante do ideal revolucionário.” (Entrevista concedida ao jornal Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 5 de setembro de 1929.)

Em 1931, Maria Lacerda de Moura foi alvo de críticas de Patrícia Galvão (Pagu), em sua coluna “A mulher do povo”, do periódico O homem do povo.

Na altura, é provável que Pagu desconhecesse que, tal como ela própria, Maria Lacerda havia desenvolvido algumas ressalvas com o termo “feminista”, justamente pela apropriação do mesmo por mulheres ligadas às elites do país que reivindicavam direitos políticos, fundamentalmente. Uma evidência dos perigos do feminismo essencialista, que desconsidera outras mulheres, outras reivindicações e outros métodos de luta. Antonieta de Barros (1901-1952), escritora negra que assinou alguns de seus trabalho com o pseudónimo “Maria da Ilha”, escreveu sobre Maria Lacerda de Moura: “não é o que, na acepção vulgar do termo, se chama uma feminista” e continua “O seu ideial paira mais alto, porquanto no seu lindo sonho de liberdade, deseja a reabilitação integral do imenso rebanho dos domesticados”. (República, Florianópolis, 10 de abril de 1932.)

Entre 1931 e 1932, Maria Lacerda lançou os livros Civilização – tronco de escravos e Amei e… não voz multipliqueis. Sobre o primeiro, escreveu a revista Fon-Fon: “É um grito de revolta de uma mulher inteligente (…), um livro bem escrito, mas que não deve ser lido pelas criaturas presumidamente felizes”.

“A evolução é individual, e o conservantismo das massas é assegurado pela influência ancestral fossilizada no subconsciente coletivo e pela educação, domestificadora até o servilismo.” (Trecho de Civilização – tronco de escravos.)

Em 1934 foi publicado Han Ryner e o amor plural, resultado da compilação de textos publicados por Maria Lacerda em O Combate, no final da década de 1920. Sobre o assunto, escreveu Jussara de Miranda: “Maria Lacerda de Moura busca em Han Ryner os fundamentos para defender o amor plural, ou seja, mais uma vez dialoga com os pensadores libertários. O ponto de partida do autor é o entendimento de que a grande revolução se daria através do amor guiado pela leveza, sem cobranças e possessividades. A verdadeira fidelidade, segundo o filósofo, era a fidelidade da alma.”.

É possível notar a aproximação de Maria Lacerda com o pensamento proposto por Han Ryner na dedicatória que faz a Carlos Moura, seu companheiro, na segunda edição de A mulher de uma degenerada, de 1934.

Entre 1933 e 1934, momento de ascensão do nazismo na Alemanha, Maria Lacerda retomou sua dedicação à escrita de textos antifascistas. No intervalo foram publicados: Serviço militar obrigatório para a mulher? Recuso-me! Denuncio! (1933), Clero e Fascismo – horda de embrutecedores (1934), e Fascismo – filho dileto da Igreja e do Capital (1934) – sobre este último, publicarei mais informações assim que possível.

No trabalho de tese de Dalmo Belfort de Matos para a 1ª Cadeira do Curso de Doutorado em Direito, “O estado fascista” (1935), e apresentado ao Professor Doutor Sampaio Dória, consta o seguinte: “Os trabalhos de crítica que encontrei, como os de Maria Lacerda de Moura, são brochuras de propaganda extremista. E nunca livros científicos que se prestem a uma pesquisa desapaixonada” (A Ordem, Rio de Janeiro, 1936). Ora, o Sr. Belfort de Matos era um católico apaixonado, membro da Associação Jornalística Católica, e esta (dentre outras) pode ter sido uma das razões pelas quais declarou a sua crítica pouco cuidadosa à Maria Lacerda.

Outras críticas à Maria Lacerda de Moura aparecem no periódico Semana Religiosa: “mulher libertária e corruptora pelas ideias depravadas que prega” (Pouso Alegre, MG, 18 de abril de 1926); “pioneira na luta contra a pátria, o caráter, a tradição…” (25 de novembro de 1942).

Devido ao desmonte da comunidade de Guararema provocado pelos agentes repressores do Estado Novo, Maria Lacerda voltou para Barbacena – mas por pouco tempo, uma vez que parte da população não aceitara conviver com a libertária. Viveu seus últimos anos no Rio de Janeiro, vindo a falecer em 1945, antes do término oficial da Segunda Guerra Mundial.

Para Margareth Rago,

“A partir da construção de um pensamento original e, ao mesmo tempo, em constante diálogo com autores/as provocativos e críticos, mas também rebatendo com muita lucidez os argumentos dos conservadores de seu tempo, Maria Lacerda inventou eticamente e propôs novas experimentações de vida em sociedade, especialmente em sua própria experiência cotidiana, em Minas Gerais, em São Paulo, em Guararema, ou no Rio de Janeiro. Apostando na solidariedade, no respeito à diferença, na liberdade de amar e no pacifismo, lutou contra os micropoderes que atravessam as relações no cotidiano da vida social, tanto quanto contra o poder bélico e o racismo dos Estados.

Fundamentalmente, ao questionar radicalmente a condição social e a dominação cultural sobre as mulheres e ao demonstrar que a exclusão feminina não se devia à sua constituição biológica, tanto por suas profundas reflexões, quanto por sua própria capacidade de combate ideológico e de intervenção social, Maria Lacerda abriu as portas para que as mulheres pudessem olhar-se de outro modo e lutar por sua autonomia econômica e subjetiva.”

Algumas mulheres que refletiram e escreveram sobre Maria Lacerda de Moura (além das já citadas): Mônica Raisa Schpun, Liane Peters Richter, Joice Oliveira Pacheco, Isabel Lousada e Angela Laguardia, Mônica Karawejczyk, Miriam Moreira Leite e várias outras.