Secções Femininas do Partido Comunista e das Juventudes Comunistas Portuguesas

“OPERÁRIAS E CAMPONESAS, EMPREGADAS E INTELECTUAIS, TRABALHADORAS DOMÉSTICAS!
A crise econômica mundial força sempre mais e mais mulheres a trabalhar para ganhar a sua vida. E como elas não são organizadas, enfraquecidas pela miséria do lar e da família, são ainda mais exploradas do que os homens. Elas trabalhando 10-12 horas ao balcão, na oficina ou no escritório por um salário de fome, ao chegar a suas casas começam o trabalho doméstico. Ainda para mais, os patrões têm a exigência de ver as suas empregadas bonitas e sorridentes, pois nem o patrão, nem os fregueses gostam de ver a miséria na cara das empregadas, nem nos seus vestidos! Mas como conseguir isso tudo com um salário que muitas vezes não atinge 5$00? Se a empregada ou operária não tem pais, marido ou irmãos para ajudar é obrigada a ouvir as seduções dos patrões, que infeccionando-as e tornando-as grávidas, as abandonam depois, lançando-as no caminho da prostituição! São pois as vítimas mais lamentáveis do capitalismo.
A desorganização econômica capitalista e o seu aparelho – o Estado – começa fazendo sentir os seus efeitos até no próprio meio intelectual. As professoras do magistério primário passam uma vida de miséria. Uma grande parte não consegue colocação, vendo-se obrigadas a procurarem empregos no comércio ou recorrem a meios pouco dignos.
Mas como se forma a vida dessas, que ainda não chegaram a esta miséria extrema? Se a vida ainda se arrasta duma maneira bastante miserável, insuportável começa no caso de uma doença, mesmo ligeira, duma operação, quando a infeliz tem de permanecer nos hospitais, semanas e semanas ou em caso de gravidez ou de desemprego. Todos estes casos se encontram perfeitamente sem defesa e elas muitas vezes já não se podem livrar das casas de penhores onde abandonam os objetos do lar.
E a vida da casada? Essa depois do fatigante trabalho no emprego começa o trabalho do lar, de tal maneira, que ela nunca pode descansar, e por isso mesmo os patrões não gostam de empregar mulheres casadas, porque elas têm mais a fazer, e são menos capazes de trabalhar. E se essa empregada tem ainda filhos, deixa-os abandonados na rua.

E no entanto… há outra vida para a mulher: num país onde o trabalho feminino é pago da mesma maneira do que o homem, onde a semana de trabalho é de 4 dias, e 7 horas de trabalho diário, onde não há mais prostituição, porque não há a exploração da mulher, onde, durante a doença, todos os operários, operárias ou empregadas recebem Salários Inteiros sem serem forçados a pagar o médico e o hospital, e onde a gravidez já não significa um horror, porque a mulher grávida recebe dois meses antes e depois do parto o salário por inteiro e o hospital gratuito. Aí há “creches” para os “bebês” onde a mãe pode aleitar o filho de 3 em 3 horas. E sobretudo o desemprego aí não é conhecido! Este país é a UNIÃO SOVIÉTICA, única pátria dos trabalhadores, onde a libertação da mulher não existe só no papel. As cozinhas de fábrica libertaram a mulher do trabalho do lar, agora ela tem mais tempo para a sua instrução, para a sua vida espiritual. E como é possível ter estas vantagens? Sabemos bem que sós nada podemos conseguir. Se exigimos alguma coisa dos patrões, eles põem-nos na rua, de certeza, porque 100 profissionais se oferecerão no nosso lugar. Só a nossa organização, a nossa união pode libertar-nos da nossa tão miserável vida!

Depois, a crise capitalista aumenta cada vez mais o exército das desempregadas. Centenas e centenas de camaradas não fazem um dia de trabalho durante meses e meses seguidos. É a miséria, é a fome e a desgraça no lar das trabalhadoras operárias, empregadas, costureiras, etc. À exploração das fábricas, dos ?, escritórios e balcões sucede a falta de trabalho e a falta de pão. O regime burguês de exploração de trabalhadores não se afunda sozinho. Procura arrastar na derrocada também as classes trabalhadoras, definhando-as pela fome.

OPERÁRIAS, CAMPONESAS, EMPREGADAS! Organizai-vos nos vossos sindicatos e lutai pelas seguintes palavras de ordem: DIA DE SETE HORAS DE TRABALHO! PROTEÇÃO À MULHER GRÁVIDA! ORGANIZAÇÃO DE SOCORROS À CUSTA DO ESTADO E DO PATRONATO!

INTELECTUAIS! Coadjuvai a luta das operárias, defendei os vossos prºoprios interesses!

CAMARADAS EMPREGADAS E DESEMPREGADAS! Juntai-vos à manifestação do 29 de Fevereiro, dia da jornada Nacional de Luta contra o Desemprego!

FILIAI-VOS NAS SECÇÕES FEMININAS DO PARTIDO COMUNISTA E DA FEDERAÇÃO DAS JUVENTUDES COMUNISTA PORTUGUESAS, onde encontrareis camaradas dispostas a auxiliar-vos no trabalho de emancipação da mulher!

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS (Secção Feminina)
Federação das Juventudes Comunista (Secção Feminina)


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.