Captura-de-ecrã-2020-09-03-às-16.38.53

Na imagem, a figura feminina aparece em primeiro plano. As correntes arrebentadas indicam a sua libertação; seu papel na construção da sociedade nova é sugerido por meio dos seios, que estão à mostra, e também por ser ela (a figura feminina) aquela que concentra toda a atenção das crianças, indicando o caminho para o sol (este que, por sua vez, pode significar a própria liberdade, o progresso etc.).

Impossível fazer a leitura desta imagem sem lembrar no texto de Angela Davis, Mulheres, raça e classe, quando a autora relaciona a condição das mulheres à condição dos escravos, nos Estados Unidos.

“Em 1833, muitas dessas mulheres de classe média começavam a perceber que algo estava errado em sua vida. Como ‘donas de casa’ na nova era do capitalismo industrial, elas perderam sua importância econômica no lar, e sua condição social enquanto mulheres sofreu uma deterioração semelhante. Nesse processo, entretanto, elas passaram a ter tempo livre, o que permitiu que se tornassem reformistas sociais – organizadoras ativas da campanha abolicionista. O abolicionismo, por sua vez, conferia a elas a oportunidade de iniciar um protesto implícito contra o caráter opressivo de seu papel no lar.”. (Davis, Angela. Mulheres, raça e classe . Boitempo Editorial. Edição do Kindle.)


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.