Muito além do sufrágio feminino

Provavelmente traduzido do inglês para o espanhol por Teresa Mañé, fundadora e diretora de La Revista Blanca, o texto propõe a união entre as lutas obreira e feminista, faz duras críticas a estes movimentos, e, de forma ousada, reivindica transformações referentes ao trabalho doméstico e à maternidade.

“Duas grandes revoluções estão em vias de se realizar, ainda que penosamente, lentamente, com muitos atrasos: a emancipação do trabalhador e a emancipação da mulher. (…) Os dois (trabalhador e mulher) têm (…) dois inimigos em seu seio: os que a si mesmos se chamam socialistas e que não têm compreendido o lado científico do socialismo, e os feministas não-científicos, aqueles que não têm suficiente lógica ou boa fé para afirmar que o verdadeiro socialismo e a verdadeira emancipação da mulher enquanto transformam completamente as antigas concepções da ordem econômica, transformam igualmente as antigas relações entre os sexos.”
“Os trabalhadores e as mulheres sofreram no passado e sofrem no presente de falta de instrução, de uma instrução que faria deles seres conscientes e cheios de iniciativa.”

“Os feministas têm a tendência de escrever e falar da mulher como se fosse representada apenas pela mulher da sociedade burguesa. Da mesma forma, também o partido obreiro reivindica os direitos do trabalhador, sem associar a estes os direitos das trabalhadoras. (…) É com esta forma de escravidão* com que têm, frequentemente, de se submeter as mulheres trabalhadoras. Ademais, elas ainda têm de fazer o trabalho doméstico (…), o qual se tem modificado minimamente ao longo dos muitos séculos. Ver-se-á, então, que a atual sorte da trabalhadora tende a retardar de forma indefinida o desenvolvimento da raça.”

“A mulher de classe média também retarda, por sua parte, este desenvolvimento, uma vez que, frequentemente, não possuí para si mesma mais independência econômica que a mulher trabalhadora. (…) Como é possível perceber, durante o curso dos séculos, para fazer este trabalho ingrato** e mal retribuído, uma massa de mulheres do povo e sem instrução e iniciativas, prontas para abdicar sua liberdade, sua saúde e sua vida às mãos de seus amos, em troca de um ‘salário’ irrisório e mesquinho, ou de trocar seu nome por um status de mulher legítima entre os homens que buscam uma mulher que leve o peso de todos os trabalhos de casa.”

“Esses trabalhos domésticos, pois, que são feitos na atualidade nas casas obreiras e burguesas, deveriam ser executados como serviços públicos, em locais especiais em cada povoado, e deveriam ser executados por especialistas que trabalhassem em número determinado de horas por dia. (…) O cuidado que exigem as crianças (…) deveria ser também um serviço organizado pela comunidade. (…) Então a mulher seria livre de trabalhar, em benefício da sociedade, durante cinco ou seis horas ao dia, podendo, assim, conquistar sua independência.”

* A autora faz uma distinção entre o trabalho organizado e sindicalizado, e o trabalho desorganizado, que embrutece e aniquila. No caso, considera que as mulheres são, em geral, mais submetidas a esta última categoria de trabalho.

** De acordo com a autora, o trabalho doméstico, diferentemente do trabalho empreendido nas grandes fábricas, quase não passou por processos de modernização ao longo dos séculos.

(Livre tradução de fragmentos presentes nas primeiras cinco páginas do texto.)


Um comentário em “Muito além do sufrágio feminino”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.