Inspirações – Parte II

Maria Lacerda de Moura. Não me recordo exatamente de quando ouvi esse nome pela primeira vez; se no final da graduação ou no início do mestrado. Fato é que fiquei impressionada com toda a sua trajetória e, ao mesmo tempo, ansiosa por descobrir mais aspectos de sua vida e carreira (se é que podemos separar essas esferas). Não me lembro se o primeiro contato com a mineira se deu por meio do livro Modernizando a desigualdade (1999), da estadunidense Susan K. Besse, ou se foi por intermédio de Margareth Rago, minha professora na Unicamp (outra inspiração!).

Conforme pude, levei Maria Lacerda para a minha dissertação de mestrado, para a sala de aula, para a Olimpíada Nacional em História do Brasil e, agora, para o meu projeto de tese.

Maria Lacerda nasceu em 16 de maio de 1887, em Manhuaçu (MG), uma cidade pequena e com características rurais. Era filha do advogado Modesto Araújo Lacerda (? – 1916) e de Amélia Toledo de Araújo Lacerda; tinha uma irmã, Clarieta Lacerda da Cruz Machado – os últimos sobrenomes (apelidos) vieram de seu marido, o dentista Átila Brandão da Cruz Machado.

ANOS 1910 – BARBACENA (MG). EDUCAÇÃO.

De acordo com o Almanak Laemmert – Administrativo, Mercantil e Industrial (RJ), Maria Lacerda foi professora da Escola Normal Municipal de Barbacena (MG) entre 1910 até 1922, ocasionalmente ocupando, ainda, cargo de secretária. Na mesma cidade, foi tesoureira da Liga Feminina, uma associação presidida por Olívia de Brito (1915). Em 1918, publicou seu primeiro livro, Em torno da educação, resenhado por jornais como O Imparcial e O Paiz. No ano seguinte, integrou a Comissão Executiva do Congresso Brasileiro de Proteção à Infância, em sua maioria composta por homens (na lista, publicada pelo O Paiz, aparecem – além de Maria Lacerda – os seguintes nomes femininos: Adelina de Queiroz, Maria Georgina Leitão da Cunha, Elvira de Figueiredo Godin e Stella de Carvalho Guerra Duval (1879-1971) – esta última concorreu ao cargo de intendente municipal pelo Partido Autonomista, em 1934, tendo sido apoiada pela Federação Brasileira pelo Progresso Feminino). Ainda em 1919, publicou o texto Renovação, de cunho feminista.

ANOS 1920 – SÃO PAULO. FEMINISMO. ANTICLERICALISMO. ANARQUISMO.

Numa entrevista que concedeu ao O Jornal, em 15 de fevereiro de 1920, Maria Lacerda elegeu a teosofia e o bahaísmo como bases espirituais da pirâmide de “elevação da consciência da humanidade”; no topo desta estava o comunismo. Na altura, defendeu a Revolução Russa de 1917 e considerou o bolchevismo um instrumento de moralização: “Nada será capaz de deter a queda da nova bastilha, nem a opressão nem o dinheiro”, disse. Quando questionada sobre o papel da mulher naquele momento, revelou: “Estupendo, para toda aquela que sentir dentro do ser o impulso regenerador. Não penso como Júlia Lopes (de Almeida), que aconselha às ricas ‘o luxo que sabe pagar bem tudo’ e às pobres ‘o trabalho’. Eu aconselharia, se me fosse dado, e se valesse a pena, a educação, na sua concepção mais ampla.”.

Em 1920, foram publicadas várias resenhas do texto Renovação, publicado por Maria Lacerda em 1919, conforme mencionado anteriormente. Merecem destaque as críticas realizadas pelo anarquista José Oiticica (1882-1957) a respeito do conteúdo: “Lamento que um cérebro do excepcional valor de D. Maria Lacerda de Moura desperdice suas prodigiosas energias numa solução que pouco adianta. Quereria vê-la, decididamente, enfrentar o problema humano em suas bases de renovação completa, ao lado das mulheres comunistas que, por toda a parte, vão tomando o passo às sufragistas fora de moda“. Entre 1920 e 1922, Maria Lacerda deu conferências e escreveu textos relacionados à emancipação intelectual das mulheres. Ao lado de grandes nomes do feminismo brasileiro, como o de Bertha Lutz (1894-1976), adotou o adjetivo “feminista” e militou em favor de causas que, até então, considerava necessárias e urgentes.

Em 1923, Maria Lacerda lançou sua própria revista, a Renascença. E, apesar de sua duração efêmera, o mensário revela as redes de amizade de sua idealizadora/coordenadora (como o da feminista portuguesa Ana de Castro Osório), bem como seus principais objetos de interesse naquele contexto.

Em 1924, para contrapor as afirmações do médico português Miguel Bombarda (A epilepsia e as pseudo epilepsias), Maria Lacerda publicou A mulher é uma degenerada. Na obra, a autora contesta fortemente os argumentos do médico, que chama de “antifeminista”, uma vez que ele considerava que a instrução e a emancipação feminina seriam responsáveis por intensificar a força degeneradora nas mulheres, provocando-lhes a esterilidade. Em determinado momento, Maria Lacerda questiona: “Quem mais se degenera e degenera a sua descendência: as feministas ‘moderníssimas’ ou os homens viciados?” e continua “O feminismo nasceu ontem, criado pelas necessidades de defesa dentro da sociedade capitalista e, é de hoje que as sociedades se vêm degenerando?”.

No ano seguinte, publicou Lições da Pedagogia e, escrevendo para o jornal O Combate (SP), posicionou-se veementemente contra o projeto constitucional de Plínio Marques, Deputado do estado do Paraná. Este defendeu uma emenda que tornaria facultativo o ensino do catolicismo nas escolas públicas do Brasil, justificando que esta era a religião mais adotada pelos brasileiros. Professora primária e anticlerical, Maria Lacerda lamentou a atitude, então apoiada por muitos: “No Brasil, procuramos nos acorrentar ainda mais ao tradicionalismo, à reação contra todo o progresso e contra todos os ideias novos de ‘après la guerre’, e fazemos questão de defender o que já está esfarrapado pela ação do tempo, da evolução humana”, escreveu. Sua atitude esclarecida e seu posicionamento anticlerical fundamentaram sua identidade antifascista, conforme veremos adiante.

Em 1926, Maria Lacerda publicou Religião do amor e da beleza, obra resenhada por importantes impressos do período, como A Cigarra (revista de variedades). De acordo com Jussara de Miranda, em sua dissertação de mestrado, Religião do amor e da beleza “apresenta uma preocupação com o ser humano em sua totalidade, corpo e espírito. A religião, segundo a autora, não respondia a esses anseios, ao contrário, representava mais uma forma de prisão num mundo marcado pela violência, corrupção, ódio e descaso com o próximo. Maria Lacerda reivindica o direito de pensar no transcendental sem que isso fosse confundido com superstição ou religião”.

1928 foi o ano em que Maria Lacerda declarou, de fato, seu horror ao fascismo. Em Santos, realizou e organizou conferências que visaram combater a expansão da ideologia (Crítica, RJ). Incomodada com a maneira como parte da imprensa e da população tratava o aviador italiano Carlo Del Prete, morto em decorrência de um acidente aéreo (Rio de Janeiro, 1928), e homenageado enquanto herói, defensor da pátria italiana e da família, Maria Lacerda questionou, em artigos de O Combate, o valor social atribuído ao aviador-militar. Comparando-o ao norueguês Roald Amundsen – que colocou sua vida em risco a fim de salvar o cientista Umberto Nobile, perdido em uma expedição no Polo Norte -, problematizou: “Não confundamos o delírio esportivo aviatório-militarista de um Del Prete com o heroísmo, com o humanismo e a ciência de um Amundsen, até hoje e talvez perdido para sempre à mercê dos icebergs…”. O posicionamento de Maria Lacerda rendeu grandes polêmicas e não tardou para que o jornal Il Piccolo, com tendências fascistas, respondesse aos seus textos de maneira ofensiva. Diante do ocorrido, estudantes do Largo São Francisco (São Paulo) foram até a sede de Il Piccolo e depredaram o edifício, jogando pelas janelas retratos e mais retratos de Mussolini.

A minha saudação
Aos que me insultaram, aggrediram, calumniaram hontem; aos que me injuriaram, aggridem, calumniam hoje; aos que vão me offender, atacar, aggredir, calumniar amanhã
.

Não costumo responder aos ataques da imprensa. Nunca respondi, e não pretendo responder aos insultos, ás provocações, ás calumnias com que buscam me visar, através da independência com a qual defendo as minhas verdades interiores, injurias que não me attingem.

Ou melhor: emquanto eu estiver no goso das minhas faculdades mentaes e dentro do equilíbrio das idéas em harmonia com o meu caracter, emquanto a minha consciência for o meu único juiz, a benção de luz da minha vida interior – a resposta ao despeito, ao fanatismo, ao sectarismo, ás injurias, ás calumnias, será continuar a pensar e a viver nobremente a coragem excepcional de dizer, bem alto, o que penso, o sinto, o que sonho, embora toda a covardia do rebanho humano apesar dos escribas e phariseus da moral social.

As criaturas, eu nunca as alvejei pessoalmente nos meus escriptos. Os factos e os seres, delles me sirvo como pretexto para ensaios em torno do problema humano, sob o ponto de vista do meu individualismo, ou “vontade de harmonia”, para estudar a psychologia dos homens e das mulheres atrellados ao côche da vida social, para analysar, para escalpellar, para philosophar antes as dores do mundo que fez da vida, tão bella, a perversidade moral, legalmente organizada.

Chovam-me sapos de toda parte: eu os comerei sem repugnancia, com immenso prazer, que os sonhos me saltam da penna, e das mãos, já não cabem no coração a transbordar de Amor para toda essa pobre Humanidade céga de inconsciencia, de fanatismo, de ignorancia, em uma palavra, céga de ambição, e da “vontade de poder”. Não me defendo, nem accuso. Nem acceito D. Quixotes. O protesto público de solidariedade de dois ou tres amigos verdadeiros, não é a attitude humilhante da defeza: sou um individuo e não uma “dama”.

Uma só arma existe bastante forte, fundida no cadinho das verdades cósmicas, uma única apara e resiste aos golpes das aggressões, das ignomínias: é o Amor, é a piedade com que olhamos os desatinos de o todo gênero humano, arrebatando no torvelinho louco da civilização industrializada.

Não jogo as mesmas armas ou os mesmos processos por crime de injurias contra os meus inimigos de idéas: armas á minha disposição, atiro-as com desprezo aos pés dos moralistas ou dos duellistas fanaticamente patriotas, que dellas melhor se sabem servir.

Injurias e calumnias não se pagam com dinheiro, nem se resgatam com palavras offensivas, nem se lavam com sangue. A minha concepção da dignidade humana é outra.
As minhas armas são os meus sonhos, é a minha vida subjectiva, é a minha consciência, a minha liberdade ethica, é essa harmonia que canta dentro de mim, e toda a minha lealdade para commigo mesma; e eu não maculo a minha riqueza de vida, o meu thesouro interior, envolvendo-o na mesquinhez e na perversidade das leis dos homens ou misturando-o com dinheiro, essa cousa horrível que corrompe as consciências mais convencidas da sua fortaleza inexpugnável, e as escravisa, acorrentando-as à gehenna do industrialismo, as chocar-se umas contra as outras na engrenagem sórdida da exploração do homem pelo homem. (
MOURA, Maria Lacerda de. “A minha saudação”. O Combate, São Paulo, n. 4824, p. 1, 27/09/1928)

Para não terminar o texto de maneira abrupta (porque este já avança muito) farei uma segunda postagem sobre a trajetória de Maria Lacerda nas décadas de 1930 e 1940.