Inspirações – Parte I

Eu trabalhava nas proximidades da Avenida Paulista, no coração de São Paulo, bem atrás do Trianon. Numa de minhas raras folgas, fui ao MASP (Museu de Arte de São Paulo), para prestigiar a exposição temporária “Guerrilha Girls“. Para uma historiadora, professora de História e feminista, tudo muito interessante, claro. A provocação “As mulheres precisam estar nuas para entrar no Museu de Arte de São Paulo?”, presente em uma das obras, gerou em mim tantas outras provocações. Lembrei-me de um trabalho que fiz, anos atrás, ainda na graduação sobre a pintora brasileira Abigail de Andrade, que, até certo ponto, foi simplesmente apresentada como “a esposa de Angelo Agostini”, importante caricaturista. Recordei-me ainda que, em minhas aulas sobre Renascimento, referenciava muitos homens e uma só mulher, Sofonisba de Anguissola. Quantos silêncios. Quantas ausências…

Terminando o circuito, passei pela loja do MASP. Como sempre, gostaria de comprar muitas coisas ali disponíveis, mas uma em especial me chamou a atenção: um poster com o título “Ain’t I a Woman?”. Outra memória me sacudiu. Conheci muito superficialmente Sojourner Truth, a autora da pergunta, em uma das disciplinas que cursei no Doutorado ainda na Unicamp (sim, iniciei o 3º Ciclo no Brasil, mas acabei desistindo); não era uma disciplina da História, e sim da Antropologia. Voltei os olhos para o poster, e li o conteúdo em inglês – tratava-se, obviamente, de um recorte do discurso que Sojourner Truth realizou no Women’s Rights Convention, em Ohio, no ano de 1851. Aquilo que abalou profundamente, acabando com qualquer vestígio de essencialismo feminista ainda presente em mim.

Levei o poster para a casa, e a inspiração das palavras de Sojourner Truth para o projeto de doutoramento.

Leia o discurso traduzido:

Muito bem crianças, onde há muita algazarra alguma coisa está fora da ordem. Eu acho que com essa mistura de negros do Sul e mulheres do Norte, todo mundo falando sobre direitos, o homem branco vai entrar na linha rapidinho.

Aqueles homens ali dizem que as mulheres precisam de ajuda para subir em carruagens, e devem ser carregadas para atravessar valas, e que merecem o melhor lugar onde quer que estejam. Ninguém jamais me ajudou a subir em carruagens, ou a saltar sobre poças de lama, e nunca me ofereceram melhor lugar algum! E não sou uma mulher? Olhem para mim? Olhem para meus braços! Eu arei e plantei, e juntei a colheita nos celeiros, e homem algum poderia estar à minha frente. E não sou uma mulher? Eu poderia trabalhar tanto e comer tanto quanto qualquer homem – desde que eu tivesse oportunidade para isso – e suportar o açoite também! E não sou uma mulher? Eu pari treze filhos e vi a maioria deles ser vendida para a escravidão, e quando eu clamei com a minha dor de mãe, ninguém a não ser Jesus me ouviu! E não sou uma mulher?

Daí eles falam dessa coisa na cabeça; como eles chamam isso… [alguém da audiência sussurra, ‘intelecto’). É isso querido. O que é que isso tem a ver com os direitos das mulheres e dos negros? Se o meu copo não tem mais que um quarto, e o seu está cheio, porque você me impediria de completar a minha medida?

Daí aquele homenzinho de preto ali disse que a mulher não pode ter os mesmos direitos que o homem porque Cristo não era mulher! De onde o seu Cristo veio? De onde o seu Cristo veio? De Deus e de uma mulher! O homem não teve nada a ver com isso.

Se a primeira mulher que Deus fez foi forte o bastante para virar o mundo de cabeça para baixo por sua própria conta, todas estas mulheres juntas aqui devem ser capazes de conserta-lo, colocando-o do jeito certo novamente. E agora que elas estão exigindo fazer isso, é melhor que os homens as deixem fazer o que elas querem.

Agradecida a vocês por me escutarem, e agora a velha Sojourner não tem mais nada a dizer.

Retirado de: <https://www.geledes.org.br/e-nao-sou-uma-mulher-sojourner-truth/>. Acesso de abril/2020.