Lucinda Tavares

Foi uma professora primária, escritora e tradutora portuguesa.

Lucinda Rosa Cardoso Tavares nasceu no município de Alter do Chão, distrito de Portalegre (Portugal), no dia 27 de fevereiro de 1886. Era filha legítima de António José Tavares e de Emília Rosa Tavares.

Registro de batismo de Lucinda, Arquivo Distrital de Portalegre (PT-ADPTG-PRQ-PALT01-01-55B)

De acordo com o Dicionário no Feminino, organizado por João Esteves e Zília Osório de Castro, em 1907, Lucinda “procurou mobilizar as colegas (da Escola Normal de Lisboa) a decretar a greve geral, de forma a integrar o movimento de protesto da Academia de solidariedade para com os estudantes da Universidade de Coimbra” (p. 529).

O arquivo histórico da Escola Superior de Educação de Lisboa (ESElx) preserva alguns documentos relacionados à vida escolar de Lucinda, entre os quais: o termo dos exames finais do ano de 1905, o termo de matrícula do 3º ano e a grade de notas e frequências do 3º ano. Por meio da leitura dessas fontes, nota-se que houve uma interrupção no processo de formação de Lucinda, uma vez que o primeiro documento data de 1905, enquanto que os demais, referentes ao último ano do curso, datam de 1911 . Mais tarde, no número de 1º de novembro de 1913, do Diário do Governo, o nome da normalista aparece com as informações de que, em 1911, concluíra o curso com 18 valores, e que obteve o 3º lugar de professora primária na Escola nº49, na freguesia de Sete Rios em Lisboa.

Diário do Governo, 1º de novembro de 1913, p. 4119, 1ª coluna.

Juntando as informações disponíveis, parece provável que Lucinda tenha se mudado para Lisboa em meados de 1905, com a intenção de cursar a Escola Normal. E também é provável que, no meio desse percurso, tenha se encantado com as possibilidades oferecidas pela cidade e pelos ares de um tempo voltado para o futuro. Em 1907, numa carta enviada a Pinto Quartim, à época estudante de Direito da Universidade de Coimbra, ela escreve:

Tinha-me dedicado com apaixonado amor e entusiasmo, como V. Exª teve ocasião de ver, ao belo nascimento de revolta que agitou a mocidade das nossas escolas a ponto de sacrificar um ano e talvez o meu curso, e nunca esperei que tivesse este triste desenlace” (Espólio de Pinto Quartin, AHS, PT-AHS-ICS-PQ-CP-307)

A confissão confirma o episódio narrado pelos autores do dicionário anteriormente citado e também pode servir, ao menos em parte, como justificativa para o atraso da graduação da normalista. Também nessa carta, Lucinda comenta sobre o seu envolvimento em um periódico de vertente feminista, Alma Feminina, e pede ao seu interlocutor que escreva um artigo sobre “a mulher no destino das nações”.

Pinto Quartin não chegou a escrever para Alma Feminina – ou, se escreveu, seu texto não foi publicado; porém, há no periódico um artigo assinado por Lucinda Tavares, intitulado “O ideal do futuro”, lançado em 27 de junho de 1907. Sabendo que a então estudante fora responsável pela tradução da obra A sociedade moribunda e a anarquia, de Jean Grave, é quase impossível ler o dito artigo sem considerar as possíveis influências do clássico libertário na escrita de Lucinda.

“(…) Apesar da aurora luminosa da ciência e das artes, dos vastos e altruístas horizontes abrangidos pelas letras e pela filosofia, os homens continuam a digladiar-se, o ódio a desenvolver-se no seio das sociedades, o capital, eterno explorador das classes proletárias, a exercer a sua nefasta influência, a miséria horripilante e trágica a estigmatizar os desprotegidos da Fortuna!(…) É a mulher com a ternura de seu coração, com a sutileza de seu espírito, com a sua benéfica influência no seio da família que compete a nobre e grande tarefa de ir gradualmente transformando o estado físico e móvel das sociedades até à perfeição de ver brotar a paz, a harmonia, a igualdade social nas futuras gerações sem distinção étnicas, pátrias ou religiosas” (Alma Feminina, 27 de junho de 1907, p. 59).

Na mesma altura, entre 1907 e 1910, Lucinda Tavares assinou artigos publicados em O Mundo (Jornal da Mulher); na revista Amanhã, dirigida pelo seu colega Pinto Quartim; e A Mulher e a Criança, órgão impresso da Liga Republicana das Mulheres Portuguesas. Também participou de eventos expressivos, como o Congresso Nacional de Livre Pensamento, realizado em 1908.

Capa do 2º número de Amanhã, 15 de junho de 1909 (Hemeroteca de Lisboa). Neste, Lucinda Tavares assina um artigo sobre a História da Educação, pp. 9-10.

Em 27 de dezembro de 1911, ocorre o casamento entre Lucinda Tavares e Afonso Henriques da Silva de Sousa Manaças (1887 -?), este que, até certa altura da vida, foi da militância anarquista, colaborando em periódicos como Terra Livre. Dentre as testemunhas da união, constam os nomes de outros dois libertários: António Manaças, irmão do noivo e professor primário, e João Evangelista Campos Lima, advogado formado por Coimbra.

Analisando em retrospecto os efeitos da Primeira Guerra, António Ventura identifica os camaradas que abandonaram os ideais libertários. Sobre Afonso Manaças, escreve:

“Por altura de 1935, pouco depois de ter terminado o seu curso de medicina, aderiu ao partido socialista, com declarações nos jornais, para justificar a sua conversão, mas que na realidade só teria sido motivada pelo desejo de abrir mais facilmente caminho na vida. Passados alguns anos, disse jocosamente a um ex-camarada, que deixara de ser tudo que terminasse em ‘esta’, excepto ‘barriguista’. Como a Igreja é que imperava, contava-se que a costumava frequentar, certamente, para daí tirar algum proveito para a barriga. Foi casado com a professora de instrução primária Lucinda Tavares, que igualmente colaborou no movimento anarquista, e que com ele viveu bastantes anos, havendo uns poucos filhos desse casamento. Acabaram, porém, por se separar, mas ignoramos se teria sido por divergências de ideais, pois que essa união perdurou durante muito tempo apesar das cabriolas políticas dele” (Disponível aqui).

De fato, o divórcio foi oficializado em 1950.

A partir de meados da década de 1910, a frequência de Lucinda Tavares na imprensa feminista ou libertária diminui de forma considerável. As razões para isso podem ter a ver com o casamento e o nascimento dos filhos, com a graduação dos estudos e o desenvolvimento da carreira como professora primária, ou com uma mudança de posicionamento ideológico.

Faleceu em Lisboa, em 10 de junho de 1967, anos 81 anos de idade .

_________________________________________

Alguns dos trabalhos assinados por Lucinda Tavares e publicados na imprensa feminista e anarquista:

TAVARES, Lucinda – Solidariedade feminina. O Mundo. (14 mai. 1907). 

TAVARES, Lucinda – O ideal do futuro. Alma Feminina. I:8 (1907).

TAVARES, Lucinda – Algumas palavras sobre a história da educação. Amanhã. I:2 (1909).

TAVARES, Lucinda – Educação racional. A Mulher e a Criança. (dez. 1910).

TAVARES, Lucinda – A mulher portuguesa na jovem República. A Mulher e a Criança. (jan. 1911).

Tradução:

GRAVE, Jean – A sociedade moribunda e o anarquia. Lisboa : Bibliotheca de Estudos Sociais, 1908.



Citar este post
Jaqueline Moraes de Almeida (2023, 18 Outubro). Lucinda Tavares. E eu não sou feminista? Recuperado em 19 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/opvc

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search