“Feminismo” anarquista x feminismo burguês, na Espanha

Como no último post, buscarei sintetizar as principais tendências do feminismo – mas, agora, na Espanha -, a partir da leitura do artigo escrito por Coral Cuadrada Majó e por Ginés Puente Pérez, A debate entre “feminismo” anarquista y el feminismo burgués, publicado na revista Feminismo/s, 28 (dezembro, 2016), pp. 25-47.

A apresentação do artigo já dispara uma problemática (também presente na análise de Céli Pinto acerca das tendências feministas no Brasil): nem todas as mulheres que, nos dias de hoje, poderiam ser facilmente identificadas como feministas, na altura, queriam para si a identidade “feminista”. Gloria Espigado afirma que: “A palavra (feminismo)… é em si mesma problemática em sua utilização, dado o rechaço que o dito termo encontrou na maioria das mulheres militantes nas fileiras do anarquismo. Conotando, para elas, a versão burguesa das emancipadas das boas famílias” (tradução livre). Entretanto, os autores do artigo consideram que, sim, algumas anarquistas deveriam ser pensadas como feministas, uma vez que direcionaram parte de seus esforços políticos na busca por denunciar as disparidades entre homens e mulheres, desestabilizando, assim, as relações de gênero. Se olharmos por esse ângulo, as anarquistas e outras mulheres obliteradas na grande narrativa acerca da história do feminismo teriam adiantado (e muito) as pautas que, atualmente, parecem próprias do chamado “movimento de segunda onda”, justamente o que cunhou a tal metáfora das ondas.

Os autores identificam três grandes tendências do feminismo espanhol, no período que compreende a segunda metade do século XIX e a década de 1930: o representado por Gimeno Flaquer, o representado por Emilia Bazán, e o representado por Teresa Mañé, Teresa Claramunt e Antonia Maymón.

Concepción Gimeno Flaquer nasceu em Alcañiz, na comunidade autónoma de Aragón, em 1850. Atualmente, sua memória é relacionada à escrita e ao feminismo espanhol. Mas é importante indagar: qual era este feminismo pelo qual militava? Um feminismo conservador, que jamais ousou questionar os papéis, até então, considerados inerentes à condição feminina: o de esposa e mãe. Gimeno Flaquer, tal como tantas outras mulheres das elites, em diversos países daquele contexto, rechaçou os argumentos que defendiam a inferioridade intelectual feminina, e defendeu um projeto de educação voltado às mulheres, a fim de que estas pudessem auxiliar melhor seus maridos e bem educar seus filhos.

“… para que a mulher exerça a tríplice maternidade, física, moral e intelectual, necessita ser ilustrada. este é o requisito indispensável para a conquista do progresso, para a regeneração social e para o engrandecimento da pátria.” (tradução livre de GIMENO FLAQUER, Concepción, Evangelios de la mujer, 1900)

Foi citada por uma importante feminista portuguesa, Olga Moraes Sarmento da Silveira, autora de Problema Feminista, publicação que resultou de uma conferência ocorrida na “Sala Portugal”, em Lisboa, em 18 de maio de 1906. Na dita obra, a autora realiza comparações entre os feminismos português e espanhol, e entre o nível de instrução de portuguesas e espanholas, elogiando os salões organizados por Ginemo Flaquer e Emilia Bazán, por exemplo.

Gimeno Flaquer escreveu:

ROMANCESVictorina o heroísmo del corazón (1873), El doctor alemán (1880), Suplicio de una coqueta (1885), ¿Culpa o expiación? (1890), Una Eva moderna (1909)

ESTUDOSLa mujer española. Estudios acerca de su educación y sus facultades intelectuales (1877), La mujer juzgada ante al hombre (1882), La mujer juzgada por la mujer (1882), Evangelios de la mujer (1890), Madres de hombres célebres (1895), La mujer intelectual (1901).

E dirigiu e/ou colaborou nos PERIÓDICOS: La Ilustración de la Mujer (1873); El Álbum de la Mujer (México, 1883-1890), que contou com colaborações das escritoras espanholas Josefa Pujol de Collado (século XIX – 1904) e Emilia Calé de Quintero (1837-1908); El Álbum Iberoamericano (Madrid, 1891-1909).

(PARÊNTESES: o periódico mexicano El Álbum de la Mujer manteve a tradição de estampar, em sua capa, o retrato de alguma mulher notável. Nos seus vinte primeiros números, publicados entre setembro de 1883 e janeiro de 1884, foram apresentadas seis rainhas europeias, duas santas católicas, uma freira mexicana, a mãe de um homem notável – Catalina Isabel, mãe de Goethe -, e outras dez mulheres com profissões relacionadas às artes e à escrita. O repertório ilustra, de alguma forma, quais eram os padrões femininos valorizados e cobiçados por Gimeno Flaquer, então diretora do quinzenário.) 

Apresentou CONFERÊNCIAS: “Ventajas de instruir a la mujer e sus aptitudes para instruirse”, “El problema feminista” (mesmo título da conferência realizada pela portuguesa Olga Moraes Sarmento da Silveira, em 1906), “Mujeres de la Revolución Francesa”, “La mujer antigua y la mujer de espíritu moderno”, “La mujer y el arte”.

 

Emilia Pardo Bazán nasceu em La Coruña, na região da Galícia, em 16 de setembro de 1851 – era, portanto, contemporânea de Gimeno Flaquer. Atualmente, sua memória é relacionada à escrita, ao naturalismo e ao feminismo espanhol. De acordo com os autores do artigo em análise, Emilia dirigiu-se, frequentemente, às aristocratas, mulheres pertencentes à sua classe social; criticou as burguesas, que, apesar das tentativas de imitar às nobres, eram preguiçosas, incultas, medíocres, ridículas e intolerantes, segundo a escritora; e, apesar de não ignorar a condição das mulheres pobres, romantizou a relação entre estas e o trabalho.

“Os defeitos da mulher espanhola, dada a sua condição social, derivam, em grande parte, do homem, que é, por assim dizer, quem modela e esculpe a alma feminina.”

Nota-se, portanto, em Emilia Pardo Bazán alguma crítica mais direcionada ao gênero masculino, além de evidente apelo à igualdade jurídica e, segundo os autores, à igualdade social.

Pardo Bazán, que conheceu importantes figuras literárias do século XIX, como Galdós (com quem manteve um relacionamento amoroso), Émile Zola e Victor Hugo, escreveu algumas centenas de textos, dentre eles:

Un viaje de novios (1881); La Tribuna (1882), obra naturalista que, pela primeira vez em Espanha, concedeu protagonismo a uma mulher mulher operária, e tratou da violência doméstica; La dama joven (1885); Los pazos de Ulloa (1886); La madre natureza (1887); Isolación (1888); Memorias de un solterón (1896)  – romancesLa literatura francesa moderna (1911) – estudo literárioLa mujer española y otros escritos (1916) – ensaio.

Colaborou no periódico Nuevo Teatro Crítico (1891-1893); traduziu e escreveu o prólogo de La esclavitud feminina, de Stuart Mill. Vários de seus contos foram traduzidos para o português e publicados em revistas e jornais do Brasil.

Emilia Pardo Bazán casou-se com José Quirogariche em 1868, ano “de La Gloriosa”; e, do casamento, desfeito algum tempo depois, resultou três filhos. Trabalhou muito para que pudesse viver de maneira autónoma, sem depender dos homens de sua família, nomeadamente, seu pai – um liberal que muito a inspirou, dizendo, por exemplo, que “no puede haber dos morales para dos sexos” – e seu ex-marido. Sua capacidade de assimilar o novo é notável em suas propostas literárias: flertou com o romantismo, com o realismo, com o naturalismo e com o modernismo. Mas, apesar de sua genialidade literária – mais do que reconhecida na atualidade -, enfrentou diversas resistências por parte da intelectualidade masculina espanhola. Costumava dizer: “Para o espanhol, tudo deve ser transformado, somente a mulher deve manter-se imutável”. 

Em certa altura do artigo, Coral Majó e Ginés Pérez tentam compreender o lugar e o papel da Igreja Católica no ambiente do século XIX, marcado pelo desenvolvimento do projeto burguês – que incluía maior expressividade dos dogmas do protestantismo e, também, rearranjos promovidos pelo liberalismo – e, consequentemente, pela maior organização daqueles que, justamente, eram afetados negativamente pela consolidação deste projeto: os (as) trabalhadores (as). Alguns destes, inclusive, parecem ter notado que a Igreja Católica, no intuito de se preservar diante das transformações postas, resolvera se unir, como sempre o fez, ao sistema opressor capitalista; e, por isso, entendiam que a sua emancipação enquanto classe passaria, também, pela superação de seus vínculos com a dita instituição milenar. Mas o fato é que a Igreja, ao longo desse tempo, buscou maior atuação do ambiente privado, ao mesmo tempo em que tentou atuar no interior do movimento obreiro. Ora, seria um equívoco dizer que a esfera doméstica era, por excelência feminina, como vários continuam a defender. Afinal, a afirmação é válida quando analisamos a estrutura familiar burguesa, sobretudo. Nas famílias mais pobres (e menos analisadas pelos historiadores) e em situação de vulnerabilidade, as mulheres eram também trabalhadoras, assim como seus respectivos maridos e filhos. Ou seja, a mulher burguesa era, provavelmente, o alvo maior da atuação católica, naquele contexto – tanto que, no início do século XX, existiu, em Espanha, uma vertente conservadora e católica do feminismo. Com relação à influência dos dogmas cristãos (católicos e protestantes) em meio aos trabalhadores, talvez seja válido relembrar um dos bordões marxistas: “A religião é o ópio do povo”, não apenas porque promove certos escapismos, mas porque oferece um espaço acessível de sociabilidade, de certa “recreação”. 

As resistências a estas novas formas de atuação da Igreja vieram, em alguma medida, dos anarquistas e dos socialistas, que concordavam que o catolicismo era a trava mental e ideológica para a elevação espiritual da classe trabalhadora. Passemos, então, as análises biográficas de Teresa Claramunt e Teresa Mañé  – as representantes do “feminismo” anarquista.

Teresa Claramunt nasceu em Sabadell, região da Catalunha, em 4 de junho de 1862. Atualmente, sua memória está relacionada ao anarquismo espanhol e ao feminismo. Diferentemente das demais feministas já citadas, de Teresa Mañé e de Antonia Maymón, trabalhou na indústria têxtil, onde, provavelmente, teve contato com os movimentos obreiro e anarquista. Em 1883, organizou e liderou a “Huelga de las Siete Semanas” (Greve das Sete Semanas), em sua cidade natal, reivindicando, junto com outras trabalhadoras, a redução da jornada de trabalho para 10 horas/dia – no contexto, as mulheres da fábrica trabalhavam de 12 a 14 horas por dia, recebendo um mísero salário e vivendo sob péssimas condições laborais. Junto de Angéles López de Ayala (1858-1926) e Amalia Domingo Soler (1835-1909), fundou, em 1884, a Sección Varia de Trabajadoras Anarco-Colectivistas de Sabadell.  No mesmo ano, casou-se no civil com Antoio Gurri Vergés, tecedor e seu companheiro de luta. Segundo um artigo de 1956 de Federica Montseny, filha de Teresa Mañe, Claramunt teve cinco filhos, alguns deles paridos na prisão.

Teresa pasando la mitad de su vida en la cárcel y la otra mitad por caminos y carreteras sembrando a manos llenas la idea entre los humildes, los iletrados, los más pobres y desvali- dos; Teresa teniendo aún tiempo, en medio de esta vida de lucha y de sacrificio increíble, de parir cinco hijos, de los cuales no le vivió ninguno, y varios de ellos nacidos en la cárcel.

Em 1889, participou da fundação da Sociedad Autónoma de Mujeres de Barcelona, que, segundo o Wikipédia, foi a primeira sociedade feminista da Espanha. Tal como o fizeram Teresa Mañé (como “Soledad Gustavo”), Antonia Maymón, Louise Michel, Emma Goldman, escreveu para o periódico Humanidad Libre, de Valência, feito por e destinado às mulheres, majoritariamente. Três anos mais tarde, publicou La Mujer. Consideraciones generales sobre su estado ante las prerrogativas del hombre.

Com o então marido, residiu em Portugal entre 1888 e 1889.

Depois de quase um ano na prisão e sob condição de tortura, Teresa Claramunt foi desterrada pelo Estado espanhol, e, em 1897, mudou-se para Londres, onde permaneceu até meados de 1898, quando teve permissão para regressar à Espanha. Todo este percurso esteve relacionado a sua suposta participação no “atentado terrorista” (denominação do Estado espanhol) do Corpus Christi, ocorrido em 1896, em Barcelona. Como consequência do ato, responsável pela morte de 6 pessoas, o Governo Espanhol conseguiu desmobilizar os movimentos operários, tornando ilegais os “centros obreiros”, as publicações progressistas e as escolas laicas. Muitos operários e simpatizantes foram fuzilados, enquanto outros, como Claramunt, foram presos e/ou exilados. 

Em 1910, participou da fundação do Confederación Nacional del Trabajo (CNT), tal como Teresa Mañé.

Durante a década de 1910, participou de diversos motins e, em algumas situações, retornou à condição de encarceramento. Tal constante resultou no desenvolvimento de enfermidades.  Nos anos 1920, já bastante debilitada e vivendo em Barcelona, recebeu visitas de pessoas que a admiravam: Federica Montseny, Emma Goldman, Max Nettlau. Morreu em 11 de abril de 1931, dois dias antes da Proclamação da Segunda República da Espanha. 

Teresa Mañé Miravet ou “Soledad Gustavo” (pseud.) nasceu em Cubellas, região da Catalunha, em 29 de novembro de 1865. Atualmente, sua memória está relacionada à educação, à edição e à escrita; também é frequentemente lembrada por ter sido a companheira de Juan Montseny (Federico Urales), com quem se casou no civil em 1891, e por ter sido a mãe de Federica Montseny (1905-1994), uma das fundadoras do grupo Mujeres Libres. 

Como integrante do centro Democratico Federalista, fundou escolas laicas e foi colaboradora de periódicos como El Vendaval e El Productor. Escrevendo para este último, conheceu importantes nomes do movimento anarquista espanhol, como o próprio Juan Montseny, além de Anselmo Lorenzo e Fernando Tarrida del Mármol.

Na ocasião do atentado do Corpus Christ (Barcelona, 1896), o casal Montseny também foi perseguido pelas autoridades espanholas, passando por experiências semelhantes àquelas vividas por Teresa Claramunt, inclusive o exílio em Londres.

Em 1898, de volta à Espanha (Madrid), Teresa Mañé fundou La Revista Blanca, importante periódico anarquista.

A imagem acima ilustra parte de um texto escrito pela inglesa Dora Montefiore (1851-1933) e, possivelmente, traduzido para o espanhol por Teresa Mañé, “La independencia económica de la mujer en el siglo XX”. O texto é muito interessante e, mesmo para os leitores do século XXI, parece bem ousado e provocador. Nele, a autora sugere que as revoluções dos trabalhadores e das mulheres deveriam acontecer como um projeto unificado; que a emancipação das mulheres tornaria possível a emancipação da classe operária, ou melhor dizendo, livraria os (as) trabalhadoras de certo tipo de trabalho que embrutece e aniquila a raça humana. Ela faz duras críticas ao movimento obrero, que não reconhece os problemas das mulheres trabalhadoras, e ao movimento feminista, que omite de seus discursos e práticas as mulheres pobres, evidenciando apenas as mulheres de classes médias. Diz que as burguesas, embora em situação relativamente melhor, sofrem tanto quanto as trabalhadoras, já que todas estão submetidas à lógica do trabalho doméstico, que as embrutece e as impossibilita de trabalhar de forma efetiva para o progresso da humanidade. Propõe que os trabalhos domésticos, incluindo a educação dos filhos, fossem delegados a pessoas especializadas, organizadas pelo Estado, pois, só assim, as mulheres conquistariam sua independência de forma integral.

Já debilitada por um câncer, Teresa Mañé se exilou na França durante a Guerra Civil Espanhola, onde veio a falecer em meados de 1939.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.